Inicio   I   3 Fatores   I   Conferências   I   Salas de conferências   I   Biblioteca   I   Estudos    I   Links


Conhecimento de Si Mesmo - Conferência Nro 45

voltar atrás

Que devemos fazer para que as práticas dêem resultados positivos


Hoje vamos ver este tema, pela razão de que todo o que nós fazemos aqui é de tipo prático. O fundamental é aprender a dominar as práticas e colocá-las a limpo, como dizem.
Nas práticas do desdobramento por exemplo, a maioria das pessoas estão fracassando, como que não começaram. Nas práticas de meditação, o mesmo. Da prática de retrospectiva, nem falar.
Só de vez em quando se vê algum aluno que esta tirando as práticas a limpo. Então, em razão a isso, entra esta conferência no temário. Isto é para que tenhamos em claro os distintos elementos que nos podem levar ao fracasso quando uma pessoa tenta fazer uma prática qualquer.
Todas as práticas, pois, dão resultados positivos, indubitavelmente. O importante é que um chegue a fazer a prática na disposição de ânimo que se requer para isto.


Primeiro aspecto do fracasso:
Um dos aspectos pelos quais as práticas fracassam é a FALTA DE CONCENTRAÇÃO.

Normalmente, a maioria das pessoas não damos a importância que se merece a concentração. A Concentração é um poder terrivel. Estamos concentrados quando a Consciência está centrada na ação.
Se nossa Consciência é nosso Deus particular, se imaginarão que esse nunca fracassa. Se uma pessoa centra a sua Consciência no que esta fazendo, se não se distrai, se não se dissipa, de fato tem poder. E a Concentração é o maior poder ao que a pessoa pode aspirar ter. Assim não o vejamos ainda, assim não o temos analizado, mais na frente nos iremos dando conta de que é um poder muito grande que pode desenvolver o homem. Uma pessoa com concentração logra coisas maravilhosas.
Pode, por exemplo, atravessar uma pedra caminhando, passar pelo interior e sair do outro lado de uma parede, etc.
Então, o importante seria aprender a centrar a Consciência no que estamos fazendo. O grave está em que a maioria dos seres humanos não sabemos nos concentrar. Acreditamos que nos concentramos por que desenvolvemos certos trabalhos de maneira aparentemente judiciosa, porém, não estamos realmente concentrados.
Se a pessoa quer começar a desenvolver a Concentração, tem que começar a por atenção em uma tarefa muito fácil: ver o qué é o que faz no dia; Coisa por coisa, serve ir anotando, para ser mais consciente. O dia que logremos fazer esa coisa concentrados será um exito.
Então, o primeiro labor do dia, o segundo, o terceiro, o quarto, o quinto, o sexto, o sétimo, etc., etc., e assim todas as coisas, uma atras da outra. Indubitavelmente, a primeira coisa do dia será despertar-se, regressar do corpo astral ao corpo físico. E tem que aprender a fazê-lo como um trabalho consciente, centrar a Consciência desde esse mesmo instante para poder recordar todos os sonhos. Mantralizar e trazer todos os filmes do que fizemos no mundo astral. E assim estaria, todos os dias, despertando-se cosncientemente, recordando.
O segundo trabalho seria anotar cada um dos distintos sonhos que se teve. O terceiro, levantar-se para sair da cama. Indubitavelmente, um trabalhador ordenado, o primeiro que fara será comprovar em que dimensão se encontra. Talvez esteja, ainda na quinta dimensão e acredita estar na terceira dimensão. Deverá dar um saltinho com o desejo de flutuar para ver se ainda esta na quinta. Sigamos, o quarto será estirar-se, o quinto será desvestir-se ou ir até o banheiro, chegar até a pia, lavar o rosto, escovar os dentes, higienizar-se ou se vai tomar banho, entrar na ducha, ajustar a água, que esteja quente, etc., fechar a porta da ducha, ensaboar-se, enxaguar-se, secar-se e assim sucessivamente.
Voces nem se imaginam o número de tarefas que se fazen no dia, e todas mecânicamente. Temos que chegar a fazê-las consciêntemente, concentrados, com nossa Consciência centrada no que estamos fazendo a cada um destes instantes, para poder dar-nos conta de cada um destes eus que intervém em cada tarefa do dia.
Então, se pode lutar todos os dias, desde que se levanta por estar concentrado, por viver o instante, por não distrair-se, por não permitir que a Consciência vai dar um paseio quem sabe onde. Ou se dorme definitivamente e estamos todo o dia como zumbi, caminhando na rua, falando com as pessoas, lutando, discutindo, perguntando preços, etc...e pela noite quando voltar para casa nos perguntam "O que você fez hoje?" respondemos "Não sei!". E isto acontece, por que estamos tão dormidos que não nos lembramos nem sequer do que temos feito no dia. A este ponto se chega.
Quando uma pessoa já é consciente de cada passo destes , toma banho, por exemplo, e descobre os elementos que lhe põem conflito. Começa a dar-se conta de por que no diário viver tem tantas indecisões e outras coisas similares.
Se a pessoa já tem um programa de atividades para o dia, vai ao que tem que fazer, e não permite que chegue nenhum pensamento que não tenha que ver com o que corresponde a essa tarefa. A luta esta nisso. A Consciência irá despertando e cada vez terá mais Concentração. Por exemplo: uma pessoa está fazendo a tarefa número três e resulta que vai se encontrar com fulana na tarefa doze, e está tão emocionada que na tarefa três está pensando nela. Conclução: está dormida.
Necessariamente tem que estar centrada no que esta fazendo na tarefa. Se está pensando nela, pois, está no futuro, e não está vivendo o presente, não está vivendo o instante. E se não está vivendo o presente não pode estar concentrado. O mesmo acontece quando a pessoa está em uma reunião com alguém e está pensando em um problema que ocorreu na tarefa anterior. Essa pessoa não esta vivendo o instante. De fato, está descentrada, e tem que fazer esforços por concentrarse.
Voces vão notar algo muito interessante. Quando um faz uma tarefa concentrado, essa tarefa se simplifica e se comprime, e se torna muito fácil de fazer e agradável, deliciosa. A tarefa mais elemental, lavar as xícaras de café, se sente muito agradável, se esta concentrado, por que se está centrado no que se esta fazendo.
Porém, que acontece quando se esta lavando as xícaras de café? Se descobre que tem eus que dizen: "que cansativo!, seria melhor que outro faça isto", "Porque deixaram assim as xícaras de café?". E começamos uma luta interior entre os distintos eus que não permitem que estejamos concentrados.
Se começamos a dar-nos conta disso poderemos aplicar o processo de morte em marcha. A cada um destes detalhes que vão aparecendo vamos pendindo morte. Vejam, que quem tem o hábito de estar tomando o café da manhã e pensando na reunião com o gerente, está dormido.
Que diriam voces deste exemplo?: Vou fazer uma determinada tarefa no trabalho. Entro no escritório, sento, imediatamente digo a secretária: "traga-me um café". Aos cinco minutos de que me trouxe o café entra uma ligação, começo a falar com fulano. Já são as nove da manhã e não começamos a tarefa. Depois chega a secretária, se senta e começa a contar o problema que teve com seu esposo. Depois outra coisa e já, são as onze, e não tenho feita a tarefa. E a todo o mundo digo que estou fazendo a tarefa.
Derrepente, num determinado momento penso: "a tarefa!". A secretaria diz: "entrou uma ligação de tal!, e lhe respondo: "não atendo a ninguém até que acabe com a tarefa". "Quer café?", " Não tomo café encuanto estiver preparando a tarefa". "Nada disso, estou aqui."
Que acontece? Um se concentra tão intensamente que em minutos acaba a tarefa. O erro está em andar mariposeando e dando voltas no que nada tem que fazer. Se a pessoa se concentra o logra.
Se começamos desde agora a lutar, voces se darão conta de algo muito simpático. Chega a pessoa ao trabalho e as tarefas se tornam curtas, e a pessoa termina em pouco tempo, por que a fez com disciplina.
A pessoa que diz, levanto-me, tomo banho, arrumo a cama, me visto, preparo o lanche, organizo isto, tomo o café da manhã, vou embora, faço isto, chego até esta parte, faço aquilo, etc., essa pessoa vai programada, vai fazendo coisa por coisa e as vai fazendo centrada.
Resultado: com oitenta ou noventa tarefas as despacha todas. Porém o que não esta programado. que faz?. "Vou fazer isto primeiro. Não, melhor faço aquilo. Não, melhor isto para amanhã... "e na do chá"*** conclusão: o dia terminou e não fez nada, por que não tem uma disciplina. Não está aplicando a Concentração no que estamos fazendo.
Conclusão: fracasso.
Se voces se concentram ordenadamente em cada atividade, por simples que seja, descobrirão algo: Tem tarefas que nos agradam e tem tarefas que não nos agradam. Estão de acordo?.
As tarefas que nos agradam as fazemos rapidamente por que nos agradam, porém, as tarefas que não nos agradam sempre as postergamos. Porém, por que nos desagrada determinada tarefa? Será que não sabemos bem como faze-la? Será que tem alguns eus que obstaculizam o desenvolvimento desta tarefa?.
Se observamos, a mesma palavra Consciência quer dizer CON, que é mais, e CIENCIA, que é sabedoria,; Então, é o Ser quem nos vai dizendo, a vozesinha nos vai falando, faça assim. E o vamos aperfeiçoando em uma forma tal que cada dia nos agrada mais esa tarefa. E chega o dia em que a tarefa mais dificil a fazemos perfeita.
Sentimos agrado por que a fazemos perfeita, então, queremos que venhan outras tarefas. Nos tornamos pessoas preparadas para enfrentar compromissos difícies.
Porém, vejam voces o que acontece quando se faz com má vontade com tédio: "Tenho que vestirme". Prestem atenção a essas palavras: "Tenho que".
"Tenho que lanchar". De fato, ai ha uma resistência, uma oposição, que torna muito dificil a tarefa. Porém, se voces estam em vigilia descobrem essa resistência e a matam. Ja não é: "tenho que", senão: "quero vestirme", "quero lanchar". Não é tenho, de má vontade.
Se compreendem isso, começaram a descobrir tudo. O dia que o identifica, descobre que estar centrado é o mais agradável do mundo. Poderia, um, (alguém) ir pela rua, centrado, meditando, como o faz um Mestre.
Quando uma pessoa não pensa, se manifesta o próprio Intimo de momento em momento. E pode escutar a voz do coração. Porém, se está a toda hora com o batalhar do pensamento vai sofrendo onde quer vá. Porque não está centrado no que se esta fazendo.
Se entenderam isto e põem em prática a Concentração, ao cabo de uns anos, saberão concentrar-se perfeitamente em cada tarefa que façam. Ou seja, não estamos falando que em uma semana, nem um mês,nem um ano, senão que através da luta, cedo ou tarde, saberemos usar isso que se chama Concentração, e nenhuma prática vai fracassar.
Se aproiveitamos essa concentração para ir suplicando à Mãe Divina que elimine cada um destes detalhes que tentam tirar a Concentração avanzaremos na morte Psicologica.
Se falamos "vamos relaxarnos", então começamos a relaxar o corpo e nos relaxamos; Se digo: "vou a estar em vigília todo o dia", todo o dia estou em vigília, por que sei concentrarme.
Se estou trabalhando na morte, estou trabalhando na morte. Se vou meditar, medito. Se vou colocar meu corpo em estado Jinas, o coloco. Se vou fazer uma retrospectiva, para recordar uma vida passada, a faço e nunca fracasso.
O fracasso coloca a distração. Quando a pessoa se acostuma a fazer as coisas sem distração sempre triunfa no que está fazendo. Então, ai esta o primeiro ponto. Aprender a ter Concentração.


Segundo aspecto fracasso:
A FALTA DE FÉ. Que é não ter fé?: Duvidar, e a dúvida sempre o leva ao fracasso. Que é ter fé?: Saber, ter a certeza.
É diferente saber que crer. A pessoa pode acreditar que pode fazer muitas coisas. Por exemplo, eu posso acreditar que posso voar, porém, se não voei, indubitavelmente não voarei. Posso ficar todo o dia aleteando e não despego. Certo? Porém quando eu sei como voar, despego. Ai esta a diferença.
Então, para ter fé, se necessita vencer algo que se chama a dúvida. O que nos faz duvidar? Indubitavelmente, uma só coisa: estar a toda hora com a imaginação mecânica dizendo: "Será que sim?".
Se, a alguém, lhe diz faça os passos: 1, 2, 3, 4, e 5, tem que fazer o passos: 1, o 2, o 3, o 4 e o 5 . Porém ,começa a imaginação mecânica, a duvidar. Induvitavelmente, quando entra a dúvida aparece uma coisa que se chama fracasso.
Tão logo se duvida sobre se conseguirá essa práica, imediatamente começará a vacilar. O que acontece com a maioria dos alunos.
"Será que esse maluco ai, nos está enganando?" "Será que retorno ao corpo físico depois desta prática?" "Será que é assim?" E començam com as dúvidas: "Será?".
E perguntar "será" é suspeitar que não vai poder. Isto é o que o leva a fracassar.
Devemos começar com certa segurança no trabalho. Se lhe falaram "façamos os pasos 1, 2, 3, 4, e 5". Pois, façamos os passos 1, 2, 3, 4, e 5 e vejamos o que aparece. No momento em que estamos fazendo, estando centrados, vejamos que incide em cada passo e corrijamos o que aparece. Induvitavelmente, como resultado aparecerá o de sempre, a crua realidade dos fatos.
Quando alguém já não duvida, não deixa atuar o Diabo que o convença. Quando um vence a dúvida imediatamente faz e surge a sabedoria, a fé no que se esta fazendo. E depois não volta a duvidar jamais.
Está bem que uma pessoa que não tenha desdobrado conscientemente duvide do desdobramento. Porém, uma pessoa que já se desdobrou conscientemente, averiguou, verificou, investigou, não tem nada que duvidar. Simplesmente aplica e tenha seus resultados.
Dizia o Mestre que tem quatro normas no trabalho esotérico. Estes quatro passos é bom que todos os anotem e os tenham presentes.

1 - ANELAR: Que é anelar? É desejar. Se voces vão desdobrar tem que desejar faze-lo. Se não querem desdobrar-se, para que fazem a prática? Primeiro tem que desejar e querer. E desejar é anelar. E querer não e outra coisa que imaginar.
2 - O segundo passo é OUSAR: Que é ousar? Começar a fazer. Ou seja, "vou desdobrarme" é odesejo de desdobrar-se. Certo? Porém, já começar a desdobrar-se é ousar, começar, atreverse. E começar a trabalhar com a vontade em algo que se deseja fazer. Estar centrado no que se deseja fazer. Se entenderam isso terão dado um passo muito importante.
3 - FAZER: Indubitavelmente, quem começa a fazer, em algum momento termina de fazê-lo. Isto tem començo e tem final. Voces começaram a fazer uma tarefa, por que aqui j,a começaram, e de um momento para outro, o fizeram. Porém lembren-se sempre, quem faz é o Ser, a Consciência, e o que atua e o eu. Uma coisa e atuar e outra coisa e fazer. Aqui estamos dizendo fazer, que é do Ser. Então aqui esta a Vontade, e aqui esta o fazer.
4 - CALAR: Se nós não calamos, começamos no outro dia como um papagaio: "Ah! E que me fizuma desdobrada, e nisso durei oito horas ai metido, e investiguei a vida até de São Macanuto". E aqui, e acolá. E que acontece? Aos dois dias chega a polícia interiormente: "venha cavalheiro", e nos metem por lá em um calabouço, por estar de fofoqueiro,mexeriqueiro.
Temos que saber, que aqui, pensamos em auto-realizar-nos, e auto-realizar-nos é o contrário de falar. É aprender a calar, a guardar silêncio.
Então, veem que fulano, em astral, está pretendendo a mengana, ficam calados; comam calados, em todos os casos.
Ninguém pode falar do que vê em astral, porque o deixará de ver ou torna-se mago negro. E logo coloca um consultório de clarivendência e outra série de coisas.
Porém se a pessoa sabe calar todos os dias se desdobra, todos os dias vê, todos os dias investiga, todos os dias muda, todos os dias mata eus, faz coisas como tem que ser; Sem embargo, se fala não o deixam ser. Por isso é que cada um de nós se põe suas próprias limitações, por que ao princípio nos sentimos orgulhosos das coisas que fazemos. Tão pronto conseguem a primeira prática, ai fica.
Uma pessoa que faz, sabe. E se sabe já não volta a duvidar. Já tem fé no que faz, Tem vencido a ignorância, vencido a dúvida, e tem logrado a fé.


Terceiro aspecto de fracasso:
Algo que é importante que trabalhemos desde agora é O TEMOR.
O Temor torna todo o mundo impotente e incapaz. Quando uma pessoa tem medo não faz. Esta é a força contrária ao Amor, que esta nas Obras. O Temor castra a todo o mundo. Vejamos exemplos específicos:
Imaginemos que em um edifício que esta lá, vamos colocar uma prancha temperada de ferro até aqui, a quinze centímetros de altura.Colocaremos, também, um corrimão e um tapete para que fique bem segura.
De ai, a quinze centímetros de altura do piso, sobre essa prancha de aço bem temperada, irá avançando um por um de nós segurando o passamão, caminhando sobre o tapete. Algum imagina que não pode. Todos podem? Tem alguém que acha não poder?.
Vamos fazer a mesma tarefa, porém a cem metros de altura. Vamos subir a mesma prancha, vamos colocá-la, temperada, com seu tapete e tudo. Logo dizemos a cada um de voces: "vai voce!"·, Voce passaria?. E assim, se darão conta de que não vão passar nem um só. Por que? Porque imediatamente a imaginação nos metem temor, medo. E se não fica resolvido nosso temor, enquanto a imaginação não resolva, a vontade não trabalha.
Enquanto voces não resolvam seus medos, não poderão desdobrar-se, não poderão meditar, porque não lhes vai funcionar a vontade, que é a que os leva para fazer. É importante compreender isso.


Quarto aspecto de fracasso:
O quarto é muito importante: O OBJETIVO:
Indubitavelmente, se vocês tem lido sobre o segredo do êxito, saberão que quando se tem um objetivo nunca fracassa.
Porém, quando não se tem objetivo é um vago.
Por exemplo: vou sair de casa, porém não sei para onde ir, se vou para cima ou para baixo. E quando chego a esquina e decido tomar um dos dois caminhos, não sei se ir para o norte ou o sul. Certo? porque não tenho um objetivo, não tenho rumo, não sei para onde ir.
Ensinam os expertos que de 10.000 barcos que saem do porto com um objetivo determinado, 10.000 triunfam, ou seja, sempre chegam ao destino. Porém, imaginemos um barco carregado com toda a tripulação, os víveres e tudo. Dizen ao Capitão: "partimos?", "Sim partimos". E perguntam: "para onde?", "Não sei, Não sei ainda."
Então; Que acontece?. A tripulação começa: "Vamos para Paris", "Não, melhor saimos para Alemanha", outro dirá: "Não melhor vamos para New York", e assim sucesivamente. Logo, toda a tripulação põe a disputar e nada se faz. Por que?, porque não tem objetivo.
Isso nos acontece exatamente a nós. Quando alguém diz: "Vou esta noite a investigar isto, isto e aquilo". Falar com determinado mestre, ir a determinada cidade, investigar, encontrar a fulano, buscar um mineral que está enterrado que o vou tirar, etc. O que seja, porém, um objetivo determinado. Ai sempre teremos êxito, porque o êxito é o objetivo.
Então, nen bem me desdobro, partimos para onde vamos e não perdemos o tempo. O grave é estar um por ai, passarinhando. Não saber para onde vai nem de onde vem.
Sermpre temos que ter um objetivo, ir al Tribunal, investigar como esta determinado negócio, fazer um translado de fundos, falar com determinado mestre, investigar sobre determinado agregado psicológico, etc. Ter um rumo determinado, recorden-se sempre.
Por isso, quando se está fazendo a prática de relaxamento, falamos: Qual é o objetivo que vamos cumprir tão logo nos desdobremos? Qual é o objetivo de ir buscar a determinado mestre? Tenho que saber qué é o que lhe perguntarei: vou perguntar qualquer coisa ou simplesmente lhe dizei, como vai?, que tem feito? Como fazem no plano físico todos. Para que lhe atualizem a história pessoal. Sempre que se tem um objetivo deve ser determinado, fixo.
Então, estudemos um pouco em que estamos falhando nestes quatro pontos, se está falhando Concentração; Se temos fé; Se encontramos eus do Temor, pedimos para a Mãe Divina que os elimine. E finalmente colocamos um objetivo. Com isto não se pode fracassar.


voltar atrás

Inicio   I   3 Fatores   I   Conferências   I   Salas de conferências   I   Biblioteca   I   Estudos   I   Links

Resolução mínima 800x600 - Copyright © 2008 e-mail: conhecimentodesimesmo@gmail.com