Inicio   I   3 Fatores   I   Conferências   I   Salas de conferências   I   Biblioteca   I   Estudos    I   Links


Conhecimento de Si Mesmo - Conferência Nro 38

voltar atrás

O Difícil Caminho e o Trabalho Cristico


O difícil Caminho

Inquestionavelmente, existe um lado escuro de nós mesmos que não conhecemos, ou que não aceitamos; devemos levar a luz da Consciência a esse lado tenebroso de nós mesmos.
Todo o objeto de nossos estudos Gnósticos é fazer com que o conhecimento de nos mesmos se torne mais consciente.
Quando temos muitas coisas em nos mesmos, que não conhecemos, nem aceitamos, então tais coisas nos complicam a vida espantosamente e provocam, na verdade, toda sorte de situações que poderiam ser evitadas mediante o conhecimento de sí.
O pior de tudo isto é que projetamos esse lado desconhecido e inconciente, de nos mesmos, em outras pessoas e, então, o vemos nelas.
Por exemplo: As vemos como se fossem embusteiras, infiéis, mesquinhas, etc., em relação com o que carregamos em nosso interior.
A Gnose diz, sobre este particular, que vivemos em uma parte muito pequena de nós mesmos. Significa isso que nossa Consciência se estende só a uma parte muito reduzida de nós mesmos.
A idéia do Trabalho Esotérico Gnóstico é a de ampliar, claramente, nossa própria Consciência.
Indubitavelmente, encuanto, não estejamos bem relacionados conosco mesmos, tampouco estaremos bem relacionados com os demais e o resultado será conflitos de toda espécie.
É indispensável chegar a ser muitíssimo mais consciente para consigo mesmo mediante uma direta observação de sí.
Uma regra gnóstica geral no Trabalho Esotérico Gnóstico é que, quando não nos entendemos com alguma
pessoa, podemos ter a segurança de que esta é a mesma coisa contra a qual é preciso trabalhar sobre nos mesmos.
O que se critica tanto nos outros é algo que descança no lado escuro de nos mesmos, e que não se conhece, nem se quer conhecer.
Quando estamos em tal condição, o lado escuro de nós mesmos é muito grande; Porém, quando a luz da observação de sí ilumina esse lado escuro, a Consciência acresce mediante o conhecimento de sí.
Esta é a Senda do Fio da Navalha, mais amarga que o fel. Muitos a iniciam, muito raros são os que chegam à meta.
Assim como a Lua tem um lado oculto que não se vê, um lado deconhecido, assim também sucede com a
Lua Psicologica que carregamos em nosso interior.
Obviamente, tal Lua Psicologica, esta formada pelo Ego, o Eu, o Mim Mesmo, o Sí mesmo.
Nesta Lua Psicologica, carregamos elementos inumanos que espantam, que horrorizam, e que, de modo
algum, aceitariamos ter.
Cruel caminho é este da Auto-Realização Íntima do Ser. Quantos precipícios! Que passagems tão difíceis!
Que labirintos tão horríveis!...
Às vezes, o caminho interior, depois de muitas voltas e reviravoltas, subidas horripilantes e perigosíssimas descidas, se perde em desertos de areia, não se sabe por onde segue e nem um raio de luz o ilumina. Senda cheia de perigos por dentro e por fora; caminho de mistérios indecíveis, onde só sopra um hálito de morte.
Neste caminho interior, quando um creê que vai muito bem, em realidade, vai muito mal.
Neste caminho interior, quando um creê que vai muito mal, sucede que marcha muito bem.
Neste caminho secreto existem instantes em que já nem sabemos o que é bom, nem o que e mau.
O que, normalmente, se proíbe, às vezes, resulta que é o justo; assim é o caminho interior...
Todos os códigos morais, no caminho interior, ficam sobrando; uma bela máxima ou um formoso preceito
moral, em determinados momentos, pode converter-se num obstáculo muito sério para a Auto-Realização Íntima do Ser.
Afortunadamente, o Cristo Íntimo, desde o proprio fundo do nosso Ser, trabalha intensivamente, sofre, chora, desintegra elementos perigosissímos que em nosso interior levamos.
O Cristo nasce como um menino no coração do Homem; porém, à medida que vai eleminando os elementos indesejáveis que levamos dentro, vai crescendo, pouco a pouco, até converter-se em um Homem Completo.


O Trabalho Cristico

O Cristo Íntimo surge, interiormente, no trabalho relacionado com a dissolução do Eu Psícológico.
Obviamente, o Cristo Interior só advém no momento culminante de nossos esforços intencionais e padecimentos voluntários.
O advento do Fogo Cristico é o acontecimento mais importante de nossa própria vida.
O Cristo Íntimo se encarrega, então, de todos os nossos processos mentais, emocionais, motores, instintivos e sexuais.
Inquestionavelmente, o Cristo Íntimo é o nosso Salvador interior profundo.
Ele, sendo perfeito, ao meter-se em nós, pareceria como imperfeito; sendo casto, pareceria como se não
o fosse; sendo justo pareceria como se não o fosse.
Isto é semelhante aos distintos reflexos da luz. Se usamos óculos azuis, tudo nos parecerá azul, e se usamos de cor vermelha, veremos todas as coisas desta cor.
Ele, ainda que seja branco, visto desde fora, cada qual o verá através do cristal psicológico com que o olha; Por isso que as pessoas vendo-o não o vêem.
Ao encarregar-se de todos os nossos processos psicológicos, o Senhor de Perfeição sofre o indizível.
Convertido em homem entre os homens, há de passar por muitas provas e suportar tentações indizíveis. A tentação é fogo, o triunfo sobre a tentação é luz.
O Iniciado deve aprender a viver perigosamente; assim esta escrito; isto o sabem os Alquimistas.
O Iniciado deve percorrer com firmeza a Senda do Fio da Navalha; de um e outro lado do difícil caminho
existem abismos espantosos.
Na difícil senda da dissolução do Ego, existem complexos caminhos que tem sua raiz, precisamente no Caminho Real.
Obviamente, da Senda do Fio da Navalha se desprendem multiplas sendas que não conduzem a nenhuma parte; algumas delas nos levam ao abismo e ao desespero.
Existem sendas que poderiam converter-nos em majestades de tais ou quais zonas do universo, porém, que, de nenhum modo, nos trariam de regresso ao seio do Eterno Pai Cósmico Comum.
Existem sendas fascinantes, de santíssima aparência, inefáveis; desafortunadamente, só podem
conduzir-nos à involução submersa dos mundos infernos.
No trabalho da dissolução do Eu, necessitamos entregar-nos por completo, ao Cristo Interior.
Às vezes aparecem problemas de difícil solução; logo o caminho se perde em labirintos inesplicáveis e não se sabe por onde continua; só a obediência absoluta ao Cristo Interior e ao Pai que está em segredo, pode, em tais casos, orientar-nos sabiamente.
A Senda do Fio da Navalha esta cheia de perigos por dentro e por fora.
A moral convencional de nada serve; a moral é escrava dos costumes, da época, do lugar.
O que foi moral em épocas passadas agora resulta imoral; o que foi moral na Idade Média, por estes tempos modernos pode resultar imoral. O que num país é moral, em outro pais é imoral, etc.
No Trabalho da dissolução do Ego sucede que, às vezes, quando pensamos que vamos muito bem, resulta que vamos muito mal.
As mudanças são indispensáveis durante o avanço esotérico; Más as pessoas reacionárias permanecem engarrafadas no passado, petrificam-se no tempo e trovejam e relampejam contra nós, à medida que realizamos avanços psicológicos profundos e mudanças radicais.
As pessoas não resistem às mudanças do Iniciado; querem que este continue petrificado em multiplos ontens.
Qualquer mudança que o iniciado realizar é classificada, de imediato, como imoral.
Olhando as coisas deste ângulo, à luz do trabalho Cristico, podemos evidenciar, claramente, a ineficácia dos diversos códigos de moral que, no mundo, se escreveram.
Inquestionavelmente, o Cristo manifesto é, no entanto, oculto no coração do Homem real, ao encarregar-se de nossos diversos estados psicológicos, sendo desconhecido para as pessoas é, de fato, qualificado como cruel, imoral e perverso.
Resulta paradóxão que as pessoas adorem o Cristo, e, no entanto, lhe coloquem tão horripilantes qualificativos.
Obviamente, as pessoas inconscientes e adormecidas só querem um Cristo histórico, antropomórfico, de estátuas e dogmas inquebrantáveis, ao qual podem acomodar, facilmente, todos os seus códigos de moral torpes e rançosos e todos os seus pre julgamentos e condições.
As pessoas não podem conceber jamais o Cristo Íntimo no coração do Homem; as multidões só adoram o Cristo estátua e isso é tudo.
Quando se fala às multidões, quando se lhes declara o crú realismo do Cristo Revolucionário, do Cristo Vermelho, do Cristo Rebelde, de imediato recebe qualificativos como os seguintes: blasfemo, herege, malvado,profanador, sacrílego, etc.
Assim são as multidões; sempre inconcientes, sempre dormidas. Agora compreenderemos porque o Cristo crucificado no Gólgota exclama com todas as forças de sua alma: " Meu Pai, perdoai-os, porque não sabem o que fazem."
O Cristo, em si mesmo, sendo um, aparece como muitos e, por isso, e que se tem dito que é Unidade Multipla Perfeita. Ao que sabe, a Palavra dá poder; ninguém a pronunciou, ninguém a pronunciará, senão, somente aquele que O TEM ENCARNADO.
Encarná-lo é o fundamental no Trabalho avançado da morte do Eu pluralizado.
O Senhor de Perfeição trabalha em nós, à medida em que nos esforçamos, conscientemente no Trabalho sobre nos mesmos.
Resulta espantosamente doloroso o Trabalho que o Cristo Íntimo tem que realizar dentro de nossa própria psique.
É verdade que nosso Mestre Interior deve viver toda sua Via-Crucis no fundo mesmo de nossa própria alma.
Está escrito: "A Deus rogando e com o malho dando." Também esta escrito: "Ajudá-te que eu te ajudarei".
Suplicar à Divina Mãe kundalini é fundamental, quando se trata de dissolver agregados psíquicos indesejáveis; porém, o Cristo Íntimo, nos recôndigos mais profundos do mim mesmo, opera, sabiamente, de acordo com as próprias responsabilidades que Ele coloca sobre seus ombros.


voltar atrás

Inicio   I   3 Fatores   I   Conferências   I   Salas de conferências   I   Biblioteca   I   Estudos   I   Links

Resolução mínima 800x600 - Copyright © 2008 e-mail: conhecimentodesimesmo@gmail.com