Inicio   I   3 Fatores   I   Conferências   I   Salas de conferências   I   Biblioteca   I   Estudos    I   Links


Conhecimento de Si Mesmo - Conferência Nro 20

voltar atrás

O País Psicológico


Inquestionavelmente, assim como existe o país exterior no qual vivemos, assim também, em nossa intimidade, existe o País Psicológico.
As pessoas não ignoram jamais a cidade ou a comarca onde vivem; desafortunadamente, sucede que desconhecem o lugar psicológico onde se encontram localizadas.
Em dado instante, qualquer um sabe em que bairro ou colônia se encontra; mas, no terreno psicológico não sucede o mesmo; normalmente as pessoas nem remotamente suspeitam, em dado momento, o lugar de seu País Psicológico onde se meteram.
Assim como no mundo físico existem colônias de pessoas decentes e cultas, assim também sucede na comarca Psicológica de cada um de nós; não há dúvida de que existem colônias muito elegantes e formosas.
Assim como no mundo físico há colônias ou bairros com becos perigosíssimos, cheios de assaltantes, assim também sucede o mesmo na comarca Psicológica do nosso interior.
Tudo depende da classe de pessoas que nos acompanhe; se temos amigos bêbados, iremos parar na cantina; e se estes últimos são "
calavera" (pessoa que gosta frequentar prostíbulos), indubitavelmente, nosso destino estará nos prostíbulos.
Dentro do nosso País Psicológico cada qual tem seus acompanhantes, seus eus; estes nos levarão onde nos devem levar de acordo com nossas características Psicológicas.
Uma dama virtuosa e honorável, magnífica esposa, de conduta exemplar, vivendo em formosa mansão no mundo físico, devido a seus
eus luxuriosos, poderia estar localizada em antros de prostituição dentro de seu País Psicológico.
Um cavalheiro honorável, de honradez irrepreensível, magnífico cidadão, poderia, dentro de sua comarca Psicológica, encontrar-se localizado numa cova de ladrões, devido a seus péssimos acompanhantes, eus do roubo, muito submergidos dentro do inconsciente.
Um anacoreta e penitente, possivelmente um monge azul, vivendo austero dentro de sua cela, em algum monastério, poderia, Psicologicamente, encontrar-se localizado em uma colônia de assassinos, pistoleiros, assaltantes, drogados, devido, precisamente a eus infra-conscientes ou inconscientes, submersos, profundamente, dentro das cavidades mais difíceis da sua psique.
Por alguma razão nos disseram que há muita virtude nos malvados e que há muita maldade nos virtuosos.
Muitos santos canonizados, contudo, ainda vivem dentro dos antros psicológicos do roubo ou em casas de prostituição.
Isto que estamos afirmando, de forma enfática, poderia escandalizar aos falsos beatos, aos pietistas, aos ignorantes ilustrados, aos modelos de sabedoria; porém, jamais aos verdadeiros psicólogos.
Ainda que pareça incrível, entre o incenso da oração, também se esconde o delito; entre as cadências do verso, também se esconde o delito; sob a cúpula sagrada dos santuários mais divinos o delito se reveste com a túnica da santidade e da palavra sublime.
Nos fundos mais profundos dos santos mais veneráveis, vivem eus do prostíbulo, do roubo, do homicídio, etc. Acompanhantes infra-humanos escondidos entre as insondáveis profundezas do inconsciente.
Muito sofreram, por tal motivo, os diversos santos da história. Recordemos as tentações de Santo Antônio e todas aquelas abominações contra as que teve que lutar nosso irmão Francisco de Assis.
Não entanto, nem tudo foi dito por estes santos e a maior parte dos anacoretas se calaram.
Assombra pensar que alguns anacoretas penitentes e santíssimos, vivem nas colônias Psicológicas da prostituição e do roubo.

Contudo, são santos e se, todavia, não têm descoberto essas coisas espantosas de sua psique, quando as descubram, usarão cilícios sobre suas carnes; jejuarão, possivelmente se açoitarão e rogarão à sua Divina Mãe Kundalini elimine de sua psique esses maus acompanhantes que nestes antros tenebrosos de seu próprio País Psicológico, os têm metidos.
Muito têm falado as diferentes religiões sobre a vida depois da morte e o mais além.
Que
as pobres pessoas não se desgastem mais os cérebros sobre o que existe lá do outro lado, mais além do sepulcro.

Inquestionavelmente, depois da morte cada qual continua vivendo na colônia Psicológica de sempre.
O ladrão nos antros dos ladrões continuará; o luxurioso nas casas de encontro prosseguirá como fantasma de mau agouro; o iracundo, o furioso seguirá vivendo nos becos perigosos do vício e da ira, ali onde também brilha o punhal e soam os tiros das pistolas.
A Essência, em si mesma, é muito formosa; veio de cima, das estrelas e, desgraçadamente, está metida dentro de todos esses eus que levamos dentro.
Por oposição, a Essência pode retroceder o caminho, regressar ao ponto de partida original, voltar às estrelas; mas, deve libertar-se, primeiro, de seus maus acompanhantes que a têm metida nos subúrbios da perdição.
Quando Francisco de Assis e Antônio de Pádua, insignes mestres cristificados, descobriram dentro de seu interior os eus da perdição, sofreram o indizível e
não há duvida de que, à base de trabalhos conscientes e padecimentos voluntários, lograram reduzir à poeira cósmica todo esse conjunto de elementos inumanos que em seu interior viviam. Inquestionavelmente, esses santos se cristificaram e regressaram ao ponto de partida original, depois de haverem sofrido muito.
Antes de tudo é necessário, é urgente, inadiável que o centro magnético que em forma anormal temos estabelecido em nossa falsa personalidade, seja transferido à Essência. Assim poderá o homem completo iniciar sua viagem desde a personalidade até as estrelas, ascendendo de forma didática, progressiva, de grau em grau, pela Montanha do Ser.
Enquanto continue o centro magnético estabelecido em nossa personalidade ilusória, viveremos nos antros psicológicos mais abomináveis; ainda que, na vida prática, sejamos magníficos cidadãos.

Cada qual tem um centro magnético que o caracteriza: o comerciante tem o centro magnético do comércio e por isso ele se desenvolve nos mercados e atrai o que lhe é afim, compradores e mercadores.
O homem de ciência tem, em sua personalidade, o centro magnético da ciência e, por isso, ele atrai para si, todas as coisas da ciência: livros, laboratórios, etc.
O esoterista tem, em si mesmo, o centro magnético do esoterismo; e como essa classe de centro se torna diferente das questões da personalidade, indubitavelmente, sucede, por tal motivo, a transferência.
Quando o centro magnético se estabelece na Consciência, quer dizer, na Essência, então se inicia o regresso do homem total as estrelas.


voltar atrás

Inicio   I   3 Fatores   I   Conferências   I   Salas de conferências   I   Biblioteca   I   Estudos   I   Links

Resolução mínima 800x600 - Copyright © 2008 e-mail: conhecimentodesimesmo@gmail.com