Inicio   I   3 Fatores   I   Conferências   I   Salas de conferências   I   Biblioteca   I   Estudos    I   Links


Conhecimento de Si Mesmo - Conferência Nro 2

voltar atrás

O que é a morte. O que morre e o que não morre.

 

O desconhecimento da morte faz com que a maioria dos seres humanos lhe temam e não veem nela a meta ou o objetivo final de tudo. Se uma pessoa compreender verdadeiramente o que é a morte, já não terá medo e poderá incursionar nos Mistérios da Vida e da Morte.
“A razão de viver é morrer" e não temos outra tarefa diferente a esta. Se nasce para morrer e se morre para nascer. Se o gérmen não morre a planta não nasce. A morte é o fim de algo. 
A morte libera em todos os casos. 
O primeiro que devemos saber é que a cada essência lhe é designado três mil ciclos de manifestação cósmica e que em cada um destes, lhe é dado cento e oito oportunidades com corpo físico humano para lograr a Auto-Realização Íntima do Ser. O que quer dizer que em cada um destes ciclos haverá cento e oito nascimentos e cento e oito mortes físicas. Terminado o ciclo, a alma que se formou através da evolução, deverá morrer, depois de involuir passará por um processo que se denomina "Morte Segunda". 
Do anterior descrito, se conclui que teremos que perder o corpo físico 324.000 vezes
passando pela morte física. E três mil vezes perderemos a evoluída alma ou passaremos pela Morte Segunda. Tudo isso se dará mecanicamente se não compreendemos a importância que tem a Morte Psicológica, que nos permite lograr, somente em uma existência a Auto Realização Íntima do Ser.
Já vimos que existem três tipos de morte, que estão intimamente relacionadas entre si e que não poderíamos estudar uma sem as outras:

1 - A Morte do corpo físico
2 - A Morte Psicológica
3 - A Morte Segunda

1 - Estudemos o processo da morte do CORPO FÍSICO:

Se inicia com um estado de catalepsia que dura setenta e duas horas, onde aparentemente o corpo físico está morto, porém este estado pode ser suspenso a qualquer instante, com o que o moribundo regressaria ao corpo físico no transcurso deste tempo.
Durante estas setenta e duas horas se darão três julgamentos da seguinte forma:

- Primeiro Julgamento: Nos primeiros cinco (5) minutos o desencarnado faz uma retrospectiva consciente de cada um de seus atos nesta existência, observando cada evento vivido, e chegando ao instante mesmo do seu nascimento, compara a existência vivida com o plano que tinha previsto para esta.

- Segundo Julgamento: Se dá as vinte e quatro (24) horas aproximadamente, ante os Senhores da Lei Divina. Aqui se considera duas coisas:

● O peso atômico de cada um dos elementos psicológicos.
● E a quantidade dos mesmos (número).
Logo se compara estes com os que tinha o moribundo ao terminar a existência anterior, para ver se aumentaram ou diminuíram nesta existência.

- Terceiro Julgamento: As quarenta e oito (48) horas aproximadamente a Alma do desencarnado é levada ao Tribunal da Justiça Objetiva. Aqui se julgam três coisas:
 

  • O peso das boas e más obras de cada um dos defeitos (eus). (atos da existência)

  • O número de vezes que cada um destes elementos psicológicos se manifestou nesta existência.

  • A medida do fogo na coluna vertebral.

Ao terminar este processo se faz a soma e restos, que determinará várias coisas: o Karma que esta alma suportará na próxima existência e o desenho eletro-psíquico para a nova personalidade, se é que tem direito a uma nova existência.
Terminado este julgamento, Anúbis, o Hierarca da Justiça Objetiva, ordena ao Anjo da Morte que corte o cordão de prata do desencarnado para que seja liberado do seu corpo físico, porém o Anjo da Morte pede autorização a Mãe Divina do moribundo. Se for autorizado, este tomará até vinte e quatro (24) horas para cortar o cordão de prata com o raio da morte. Se a Mãe Divina não autoriza, o moribundo deverá regressar ao corpo físico antes das setenta e duas (72) horas.
Lamentavelmente por estas épocas, quase todo o mundo desconhece estes processos. Antigamente conhecidos por todas as tribos e povos do planeta. Nos dias atuais sepultam vivos aos moribundos ou os submetem a autópsias antes das setenta e duas horas (72). Isto poderia ser evitado com um velório de setenta e duas horas (72) e se as pessoas conhecessem melhor o processo da morte e se não tivessem tanto medo dela.
Uma vez que haja atuado o Anjo da Morte se abrem três alternativas para o desencarnado:

 

  1. Que se completou o ciclo de 108 existências e sua alma deverá ingressar na involução, submersa no planeta Terra, de onde não sairá até lograr a Morte Segunda ou a liberação da sua Essência.

  2. Que ainda não tenha completado o ciclo de 108 existências. Sua alma será transladada até o Limbo, onde aguardará o seu próximo corpo físico, fazendo contínuas retrospectivas da existência anterior.

  3. Se trabalhou com o Fogo Sagrado e aumentou a medida, Anúbis, O Hierarca, ordenará férias nos Céus e a Mãe Divina do desencarnado o levará e dará forças e instruções para que em seu próximo corpo físico esta alma, tente a Auto-Realização do seu Ser.

 

Juízo do desencarnado

2 - Agora estudemos a Morte Psicológica:
 
Está nos libera da constante escravidão em que nos mantém os diversos eus ou formas de ser de cada um de nós.
Temos milhões de defeitos psicológicos ou pecados que se manifestam no nosso diário viver e esgotam constantemente nossas energias de forma desnecessária.
Existem defeitos de todas as classes: ira, impaciência, irritabilidade, cobiça, ambição, preocupações, enganos, mentiras, medos, ciúmes, luxúria, fornicações, adultério, vaidade, amor-próprio, auto-consideração, auto-simpatia, sofrimentos, orgulho, má vontade, desânimo, desagrado, repugnância, preguiça, ociosidade, curiosidade, roubo, trapaças, sonhos, mendigo, esbanjador, alcoolismo, drogas, adicções, degeneração, gula, inveja, etc., etc., etc... Como dizia o poeta de Mantua, "ainda que tivéssemos palato de aço e mil línguas não nos alcançaríam para enumerá-los cabalmente".
Quando um defeito psicológico morre, libera a chispa, ou consciência condicionada, que é o Real que este possuía.
Assim como um defeito psicológico pode ser eliminado, todos os demais também podem ser eliminados. Se pudermos liberar uma chispa das trevas também poderemos liberar todas as outras chispas da mesma maneira.
Onde se demonstra que com a morte se mata a morte por uma eternidade.
Se nos liberarmos de todos os nossos defeitos psicológicos teremos recuperado toda a nossa consciência e integrado nosso próprio Ser, logrando a individualidade sagrada. Por isso dizemos que a razão de viver é morrer.

A Morte Psicológica se dá em três formas:

  1. A Morte em Marcha ou de instante em instante

  2. A Morte Reflexiva

  3. A Morte na Cruz

1. A morte em marcha:
Descobrir com a auto-observação um defeito, julgá-lo com a reflexão e eliminá-lo suplicando a Mãe Divina que o elimine.

Exemplo: Levanto-me e vou buscar meus chinelos, mas não os encontro no seu lugar. Automaticamente reage um eu do amor próprio, outro de orgulho, outro de preguiça e assim sucessivamente; cada um me diz uma coisa distinta (Isto é o auto-observado). 
Reflexão: "O que é que este eu deseja?", "Por que me atormenta?", "O que é isto que me sugere que faça?". No intelecto o eu se manifesta em forma de pensamentos negativos, no centro emocional me faz sentir mal, ódio e fastio; no centro motor quer gritar e insultar a quem os moveu do lugar.
Eliminação: De cada detalhe que tenho observado do qual me fiz consciente, se pede a Mãe Divina particular que o elimine. Este processo se pode repetir durante todo o dia para cada detalhe que se encontre.



Mãe Kali

2. A morte reflexiva:
Exemplo:
 Uma pessoa vai conduzindo tranquilamente seu veículo, alguém o alcança e o fecha.
Imediatamente se dá uma reação em seu interior. Eus de toda classe lhe invadem a mente, dizendo-lhe que faça muitas coisas. Um eu diz que insulte, outro diz que o alcance, outro que
o feche, outro diz que insulte a sua mãe, outro diz que deve golpeá-lo e outro eu quer que faça alguma coisa, etc., etc. Se estamos em vigília, ante uma situação assim, suplicaremos a Mãe Divina que elimine cada um dos eus que conseguimos descobrir, e o estado psicológico produzido pelo evento externo irá diminuindo. Se continuarmos em vigília veremos que no transcurso do dia nos chegam recordações deste evento, produzidos por alguns eus frustrados que desejam vingar-se. Observamos também o temor a que nos tivessem danificado o veículo, a ira, o orgulho, etc., etc.
Exercício: Ao deitar-nos, pela noite, devemos revisar as diferentes coisas que nos ocorreram durante o dia e refletir um pouco nas principais cenas, compreender nossos próprios equívocos, julgar-se impiedosamente, dar-se conta que demos muita importância a estas tontices.
Depois rogaremos a Mãe Divina que nos elimine os distintos erros que cometemos em cada uma destas cenas.
E compreenderemos a importância do ginásio psicológico para a liberação da essência.
O anterior irá emancipando consciência e quando estivermos novamente diante de um evento similar, não cometeremos os mesmos erros. Nosso comportamento modificará na medida em que o trabalho avance.


3. Morte de fundo ou Morte na Cruz:
Quando um defeito haja sido plenamente compreendido nos distintos níveis da mente, poderemos fazer uso do
Poder Flamífero da nossa Mãe Divina, para que o elimine totalmente na prática da Cruz (ou prática de sexo entre esposos)
Para fazer uso deste procedimento é necessário conhecer primeiro a Castidade Científica e aprender a dirigir o fogo sexual, com concentração, imaginação e vontade, como se ensinará em posteriores temas.

3. A terceira classe de morte é a MORTE SEGUNDA:

Quando não se trabalha sobre si, a Psique ou Alma se perde ao terminar o ciclo de 108 existências. Esta Alma é levada ao Abismo, penetra a os Nove Círculos Dantescos, de onde não sairá até que a natureza desintegre todos os defeitos que foram criados nas diversas existências. Depois de milhares de anos de sofrimento e decomposição, quando a essência ficar totalmente pura, será liberada do abismo. Este passo se denomina "Morte Segunda". Sai a Essência totalmente liberada à luz do Sol, onde reiniciará uma nova evolução, começando novamente desde o reino mineral.

 

O QUE MORRE?

O corpo físico, o corpo vital e a personalidade são as partes que morrem ao terminar uma existência. 

O QUE NÃO MORRE

A Essência de cada pessoa é imortal, ela é o único Real e Verdadeiro que possuímos, jamais morre, é a parte de Deus em cada um de nós. Os elementos psicológicos que, em seu interior levam a Essência ou Consciência engarrafada, retornam de existência em existência e em cada uma destas se robustecem. É importante compreender que com a morte do corpo físico, os defeitos psicológicos não morrem, são capturados pela Envoltura Seminal e transferidos ao novo corpo físico até completar as 108 existências. Se não são eliminados voluntariamente ao final serão desintegrados no Abismo quando se complete a Morte Segunda.


voltar atrás

Inicio   I   3 Fatores   I   Conferências   I   Salas de conferências   I   Biblioteca   I   Estudos   I   Links

Resolução mínima 800x600 - Copyright © 2008 e-mail: conhecimentodesimesmo@gmail.com